Lugares que fazer

Envie lugar

Entrar

Macedônia, República daMacedônia, República da

MapaHotéisLugares

A () ou oficialmente (), é um país localizado na península balcânica, no sudeste da Europa. É um dos estados sucessores da antiga Iugoslávia, da qual declarou independência em 1991.

O país tornou-se membro das Organizações das Nações Unidas em 1993, mas, como resultado de uma disputa com a Grécia sobre o uso do nome Macedônia, foi admitido sob a descrição provisória de , um termo que também é usado por organizações internacionais como a União Europeia, o Conselho da Europa e a OTAN. Em 17 de junho de 2018, a República da Macedônia e a Grécia assinaram o acordo de Prespa, que faria com que o país mudasse seu nome para República da Macedônia do Norte, após um referendo nacional, em 30 de setembro, sobre o assunto e sobre a legislação aprovada pelo parlamento. Em 11 de janeiro de 2019, o parlamento macedónio aprovou a emenda constitucional que alterou o nome do país e, em 25 de janeiro, a Grécia aprovou o acordo, bem como retirou o seu veto à adesão da República da Macedónia do Norte à OTAN e à União Europeia.

Um país sem saída para o mar, a Macedônia do Norte faz fronteira com o Cosovo ao noroeste, a Sérvia ao norte, a Bulgária a leste, a Grécia ao sul e a Albânia a oeste. Constitui aproximadamente o terço do noroeste da maior região geográfica da Macedônia, que também compreende as partes vizinhas do norte da Grécia e pequenas porções do sudoeste da Bulgária e sudeste da Albânia. A geografia do país é definida principalmente por montanhas, vales e rios. A capital e maior cidade, Escópia, abriga cerca de um quarto dos 2,06 milhões de habitantes do país, cuja maioria é de etnia macedônica, um povo eslavo do sul. Os albaneses formam uma minoria significativa (em torno de 25%), seguidos pelos turcos, romanis, sérvios, bósnios, arromenos e outros.

A história da região remonta à Antiguidade, começando com o reino de Peônia, provavelmente uma política mista traco-ilíria. No final do , a área foi incorporada ao Império Aquemênida Persa, depois anexada pelo Reino da Macedônia no Os romanos conquistaram a região no e fizeram dela parte da província muito maior da Macedônia. A área permaneceu parte do Império Bizantino, e foi frequentemente invadida e colonizada por tribos eslavas a partir do . Após séculos de disputa entre os impérios búlgaro, bizantino e sérvio, gradualmente caiu sob domínio otomano do até o início do , quando seguiu as Guerras dos Balcãs de 1912 e 1913, o território moderno da Macedônia do Norte ficou sob domínio sérvio. Como consequência da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o país foi incorporado ao Reino da Iugoslávia, dominado pelos sérvios, que após a Segunda Guerra Mundial foi restabelecido como uma república (1945) e que se tornou a República Federal Socialista da Iugoslávia em 1963. A Macedônia do Norte permaneceu uma república socialista constituinte dentro da Iugoslávia até sua secessão pacífica em 1991.

A Macedônia do Norte é uma república parlamentar e membro da ONU e do Conselho da Europa. Desde 2005, também é candidata a ingressar na União Europeia e solicitou a adesão à OTAN. Embora seja um dos países mais pobres da Europa, a Macedônia do Norte fez progressos significativos no desenvolvimento de uma economia aberta e baseada no mercado.

Etimologia

O nome do estado deriva do grego Μακεδονία (Makedonía), um reino (depois, região) em homenagem aos antigos macedônios. Seu nome, Maακεδόνες (Makedónes), deriva, em última análise, do antigo adjetivo grego μακεδνός (makednós), 'alto', que compartilha a mesma raiz que o adjetivo μακρός (makrós), 'alto', em grego antigo. Acredita-se originalmente que o nome tenha significado tanto "os que vivem nas partes altas" quanto "os altos", possivelmente descritivo do povo. No entanto, de acordo com o linguista Robert S. P. Beekes, ambos os termos são de origem pré-grega e não podem ser explicados em termos da morfologia indo-europeia.

História

Antiguidade e período romano

A Macedônia do Norte geograficamente corresponde aproximadamente ao antigo reino de Peônia, que foi localizado imediatamente ao norte do antigo Reino da Macedônia. Peônia era habitada pelos peonianos, um povo trácio, enquanto o noroeste era habitado pelos Dardani e o sudoeste por tribos conhecidas historicamente como Enchelae, Pelagones e Lyncestae; os dois últimos são geralmente considerados tribos molossianas do grupo grego do noroeste, enquanto os dois primeiros são considerados ilírios.

No final do , os persas aquemênidas sob Dario, o Grande, conquistaram os peonianos, incorporando o que hoje é a Macedônia do Norte dentro de seus vastos territórios. Após a derrota na segunda invasão persa da Grécia em , os persas acabaram se retirando de seus territórios europeus, inclusive do que hoje é a Macedônia do Norte.

Em , Filipe II da Macedônia anexou as regiões da Alta Macedônia (Lincéstida e Pelagônia) e a parte sul da Peônia (Deuriopo) ao reino da Macedônia. O filho de Filipe, Alexandre, o Grande, conquistou o restante da região e incorporou-o em seu império, alcançando o norte até Scupi, mas a cidade e os arredores permaneceram como parte de Dardânia.

Os romanos estabeleceram a província da Macedônia em Na época de Diocleciano, a província foi subdividida entre a Macedônia Prima ("primeira Macedônia") no sul, abrangendo a maior parte do Reino da Macedônia, e a Macedônia Salutar (também conhecida como Macedônia Secunda, "segunda Macedônia") no norte , abrangendo parcialmente Dardânia e toda a Peônia; a maioria das fronteiras modernas do país caiu dentro do último, com a cidade de Estobos como sua capital. A expansão romana trouxe a área de Escupos sob o domínio romano no tempo de Domiciano , e caiu dentro da província da Moesia. Enquanto o grego permaneceu a língua dominante na parte oriental do Império Romano, o latim se espalhou em certa medida na Macedônia.

Período medieval e otomano

Tribos eslavas estabeleceram-se na região dos Balcãs, incluindo a Macedônia no final do Durante a década de 580, a literatura bizantina atesta que os eslavos invadiram territórios bizantinos na região da Macedônia, mais tarde ajudados pelos búlgaros. Registros históricos documentam que em c. 680 um grupo de búlgaros, eslavos e bizantinos liderados por um búlgaro chamado Cuber estabeleceu-se na região da planície keramisiana, centrada na cidade de Bitola. O reinado de Presiano aparentemente coincide com a extensão do controle búlgaro sobre as tribos eslavas dentro e nos arredores da Macedônia. As tribos eslavas que se estabeleceram na região da Macedônia se converteram ao cristianismo por volta do , durante o reinado do czar Boris I da Bulgária.

Em 1014, o imperador bizantino Basílio II derrotou os exércitos do czar Samuel da Bulgária, e em quatro anos os bizantinos restauraram o controle sobre os Bálcãs (incluindo a Macedônia) pela primeira vez desde o . No entanto, no final do , o declínio bizantino viu a região ser contestada por várias entidades políticas, incluindo uma breve ocupação normanda nos anos 1080.

No início do , um revivido Império Búlgaro ganhou o controle da região. Atormentado por dificuldades políticas, o império não durou, e a região voltou a ser dominada pelo controle bizantino no início do . No , tornou-se parte do Império Sérvio, que se via como libertador de seus parentes eslavos do despotismo bizantino. Escópia tornou-se a capital do império do czar Estêvão Uresis IV.

Após a morte de Estêvão, um fraco sucessor apareceu e as disputas de poder entre os nobres dividiram os Bálcãs novamente. Esses eventos coincidiram com a entrada dos turcos otomanos na Europa. O Reino de Prilepo foi um dos estados de vida curta que emergiram do colapso do Império Sérvio no . Gradualmente, todos os Bálcãs centrais foram conquistados pelo Império Otomano e permaneceram sob seu domínio por cinco séculos como parte da província ou eialete da Rumélia. O nome Rumélia (em turco: Rumeli) significa "terra dos romanos" em turco, referindo-se às terras conquistadas pelos turcos otomanos do Império Bizantino. Ao longo dos séculos, a eialete da Rumélia foi reduzida em tamanho através de reformas administrativas, até que no consistia de uma região da Albânia central e do noroeste da Macedônia com sua capital em Manastir ou a atual Bitola. A eialete da Rumélia foi abolida em 1867 e o território da Macedônia tornou-se parte do vilaiete de Manastir até o fim do domínio otomano em 1912.

Nacionalismo

Com o início do Renascimento Nacional Búlgaro no , muitos dos reformadores eram desta região, incluindo os Irmãos Miladinov, Rajko Žinzifov, Joakim Krčovski, Kiril Pejčinoviḱ e outros. Os bispados de Escópia, Debar, Bitola, Ocrida, Veles e Strumica votaram para se juntar ao exarcado búlgaro depois de ter sido estabelecido em 1870.

Vários movimentos cujos objetivos eram o estabelecimento de uma Macedônia autônoma, que abrangeria toda a região da Macedônia, começaram a surgir no final do ; a mais antiga delas foi a Organização Revolucionária Macedônia (ORM), mais tarde tornando-se Organização Revolucionária Secreta Macedônia-Adrianópolis (ORSMA). Em 1905, foi renomeada como Organização Revolucionária Interna Macedônia-Adrianópolis (ORIMA), e após a Primeira Guerra Mundial, a organização se separou em duas, a Organização Revolucionária Macedônica Interna (ORMI) e a Organização Revolucionária Trácia Interna (ORTI).

Nos primeiros anos da organização, a elegibilidade dos membros era exclusiva dos búlgaros, mas depois foi estendida a todos os habitantes da Turquia europeia, independentemente da etnia ou religião. A maioria de seus membros, no entanto, eram búlgaros macedônios. Em 1903, a ORMI organizou a revolta Ilinden-Preobrazhenie contra os otomanos, que após alguns sucessos iniciais, incluindo a formação da República Kruševo, foi esmagada com muitas perdas de vidas. A revolta e a formação da República Kruševo são consideradas a pedra angular e precursoras do eventual estabelecimento do estado macedônio.

Reinos da Sérvia e Iugoslávia

Após as duas Guerras dos Balcãs de 1912 e 1913 e a dissolução do Império Otomano, a maioria de seus territór…

Texto obtido de Wikipedia - Macedónia do Norte sob licença CC-BY-SA-3.0 el 26 Setembro 2019

Lugares e que fazer em

Português
Lugares que fazer 2019©

Brujulea